O governador de SP anunciou ao final da manhã de hoje (segunda-feira, 06 de abril) o prologamento do período de quarentena em todo o Estado de SP (válido de forma constitucional para todos os 645 municípios paulistas) que agora irá de 08 de abril a 22 de abril, portanto com mais 15 dias de duração.

Ao dizer que a medida é “constitucional” o governador ainda acrescentou que a Polícia Militar do Estado de SP será chamada para proceder aos procedimentos de interdição dos estabelecimentos que desrespeitarem a norma.

Os estabelecimentos comerciais que desrespeitarem as normas serão notificados, interditados e numa determinada fase, perderão o alvará de funcionamento que deverá ser cassado pelos poderes constituídos (prefeituras e o próprio Estado).

“Basicamente são as mesmas medidas do decreto anterior, mas se for necessário, outras medidas ainda serão tomadas”, disse João Doria, que em determinados trechos da entrevista não deixou de “cutucar” as posturas do Presidente Jair Bolsonaro que tem constantemente criticado o isolamento das pessoas através das medidas de restrição de circulação neste período de pandemia.

AÇÕES DA PM EM SÃO PAULO PODERÃO EVOLUIR PARA MEDIDAS COERCITIVAS E ATÉ PRISÕES

O governador João Doria prorrogou para 22 de abril a quarentena no estado de São Paulo. Inicialmente, o decreto valeria até amanhã. Ele elogiou as empresas que anunciaram que não vão demitir funcionários durante a crise.

Doria voltou a criticar a postura do presidente ao dizer que Bolsonaro é o único que ignora os entendimentos de autoridades globais quanto ao isolamento social.

A Polícia Militar vai continuar com ações de orientação, que podem evoluir para prisão, em caso de descumprimento das medidas.

(Veja o vídeo na Galeria de Vídeos da Prefeitura).